Bem-vindo: Qua Jul 18, 2018 12:44 pm


(Artigo) 30 Anos de fighting games - parte 1

Escreva aqui seus artigos, entrevistas e contos interessantes com a chance de tornar-se um colaborador registrado em nosso site!

Moderadores: Monge Cravos, Hunter

(Artigo) 30 Anos de fighting games - parte 1

Mensagempor watcher » Sex Jul 11, 2014 2:14 am

anos de fighting games.

Listo por data algumas curiosidades que surgiram nestes 30 anos de fighting games, do primeiro que definiu o estilo de um contra o outro na tela sem considerar o “primeiro”, um jogo chamado Heavyweight Champ da Sega em 1976. Nesta lista preferi dar ênfase no estilo luta sem ser boxe ou outro esporte, no caso um vale-tudo mesmo.
Heavyweight champ
Dividindo por 3 fases, considerando a tecnologia empregada, suas raízes com os arcades e depois com consoles caseiros até seu formato atual, passando por influências de outras mídias como a música e o cinema.
A primeira fase começa em 1984 com o ínicio dos primeiros jogos de luta e o fim da era de ouro dos arcades mas tendo sua excelente fase em 1987, até adquirir um formato completo em 1992, passando pelos consoles que receberiam seus próprios jogos de luta e sua mudança/adaptação de mídia física do cartucho para o cd que se firmara em 1995 mas ainda teria alguns consoles a base de cartuchos como mídia sendo o último aparelho a usar cartuchos de fato o Game Boy Advance. O último jogo lançado seria Samurai Deeper Kyo em 2008 nos EUA.

1984 :
- karate Champ : primeiramente lançado para fliperamas, foi desenvolvido pela Technos Japan para a Data East. Mais tarde ganhou versões caseiras para consoles como o Nes por ex. É o jogo que definiu o estilo dimensional exibido na tela de um contra o outro não se limitando apenas a socos e sim a chutes e outros golpes.

- Spartan X : baseado nos filmes de Kung Fu, seria este a base dos beat’em up pela simples jogabilidade e luta contra vários inimigos. Foi desenvolvido pela Irem e criado por Takashi Nishiyama, criador de Moon Patrol, de Street Fighter 1 e de todas as franquis de sucesso da SNK como Fatal Fury, Art Of Fighting, Samurai Shodown e The King Of fighters 94’. Ganhou versões para consoles e computadores. O jogo Vigilante de 1988 foi feito para ser uma continuação mas com um tema diferente, urbano. Em 1991 ganhou uma continuação direta para Famicom chamada Spartan X-2.
Spartan X arcade Spartan X-2 Famicom
1985 :
- The Way Of Exploding Fist : é um jogo copiado de Karate Champ mas com suas peculiaridades como por ex, um objetivo como treinos e até um vaga história. Lançado para computadores como ZX Spectrun e Commodore 64, ia ganhar uma versão para o Nes mas foi cancelado.

- Yie Are Kung Fu : apesar de usar do mesmo estilo de Karate Champ, este já acrescentou mudanças que o tornam até uma referência maior para os fighting games como o medidor de energia para cada lutador e os antagonistas, cada qual com sua particularidade de estilo de luta. Nasceu também nos arcades ganhando mais tarde versões caseiras. A mais bem feita é a de game boy advance que faz parte do Konami collector series árcade advance lançado em 2002. Neste é possível controlar os antagonistas no vs mode. Sua continuação Yie are kung fu 2 é exclusiva de MSX.
versão arcade versão GBA Yie are kung fu 2 de MSX
1986 :
- Renegade : O pai do estilo beat’em up. É mais conhecido pelo nome Nekketsu Koha Kunio Kun. A mudança do nome assim como dos gráficos é mais mercadológico, já que o original é baseado nos delinquentes japoneses conhecidos como bosozoku, enquanto a versão ocidental foi adaptada para lembrar o filme The Warriors. A série ficaria mais conhecida a partir do terceiro título : Downtown Nekketsu Story ou River City Ranson para os ocidente em 1989. O remake mais atual é o de game boy advance intitulado River City Ranson EX de 2004.
Renegade arcade N.K.K Kun
1987 :
- Double Dragon : É uma evolução de Renegade. Acrescentou algumas mudanças como uma história mais elaborada, uma jogabilidade bem mais precisa, um leque de golpes mais funcional, permitiu 2 jogadores ao mesmo tempo além de poder utilizar bastões, facas, chicotes, etc. De uma evolução passou a uma revolução do estilo, se tornando uma referência para os futuros títulos e clones que surgiriam a seguir. Teve 4 continuações, o quinto virou um fighting game e alguns spin-offs como battletoads & double dragon e rage of the dragons. Ganhou 1 reboot para Playstation network/Xbox live em 2012 e um remake para game boy advance em 2003. O reboot é razoável mas o remake é considerado um cult e um dos melhores jogos já feitos para gba.
versão arcade remake de gba
- Street Fighter : Criado pela capcom, é um jogo de luta que junta todas as mudanças significativas da época : barras de energia para cada lutador, antagonistas, além de gráficos bons para a época, além de cada lutador ter seu próprio tema. Chamou a atenção pelas primeiras máquinas a qual se utilizavam botões pressionados por pancadas literalmente. Por motivos óbvios, foram substituídos por 6 botões que mais tarde se tornariam também, uma referência, assim como o próximo título da série.
Street fighter 1
Este ano seria também marcado pelo lançamento de um console poderoso : o Pc Engine. Sendo ele um console caseiro de 8 bits, ele já se diferenciava dos demais pelo alto poder gráfico e de processamento, Algo só visto num Colecovision comparando com seus demais concorrentes. Aqui a comparação é feita nas conversões de arcade para consoles caseiros e o Pc Engine converteu jogos com praticamente 90% de fidelidade e todos queriam um arcade em casa. É considerado o primeiro console de quarta geração mesmo tendo um processador 8-bits.
Era também o começo da era de ouro dos beat’em ups que se inicia com Double Dragon e duraria por 5 anos.
Como todos os estilos de jogos, os fighting games ou games de luta também nasceram nos árcades. Quando a tecnologia dos consoles caseiros ultrapassou a dos fliperamas, foi a hora de fazer a transição natural para as novas casas e principalmente para as novas tendências tecnológicas como jogatina online, conteúdo exclusivo para download de personagens, estágios, músicas, roupas, etc, atualizações de erros pela internet.
1988 :
- Ninja Gaiden : Este possui um histórico interessante : Surgiu como um dos vários clones de beat em’up mas o tema era o ninjitsu. Apesar de ser um game bacana de fliperama, foi na conversão para consoles caseiros, em especial o nes ( famicom no japão) que o jogo se tornaria um sucesso. O game praticamente foi todo refeito sendo até um jogo totalmente diferente já que abandona o estilo briga de rua para se tornar um jogo de plataforma como mario bros ou castlevania. Curioso já que a sensação na época era ter algo bem próximo do árcade em casa. Mas claro que vários fatores contribuíram para este sucesso como uma excelente história, cut-scenes, uma boa trilha sonora e 2 continuações que foram até melhores que o original. Porém a versão arcade foi laçada para outras plataformas sendo uma até bem fiel ao árcade, a versão para atari linx, um console de mão. Em 2004 foi convertido totalmente para o 3d para o console x-box, se tornando um dos melhores games deste mesmo ano, por uma qualidade gráfica excepcional, uma jogabilidade excelente assim como a história.
versão arcade versão NES versão XBOX
Neste ano surgiria o segundo console de quarta geração e que iria fazer conversões de fliperama ao mesmo nível do Pc Engine, o Mega Drive. Este produziu conversões boas de beat’em up de Golden Axe, The Punisher, Growl, Two Crude Dudes, quando não exclusivas como a famosa série Streets of Rage e um clone duvidoso de Street chamado Eternal Champions.

1989 :
- Teenage Mutant Ninja Turtles The Arcade Game : baseado num desenho animado de 1987, não trouxe lá mudanças inovadoras mas era um sucesso pelo fato de poder jogar com até 4 personagens simultaneamente, além de ser totalmente baseado no desenho animado que era uma febre até no Brasil. Ficou conhecido como turtles 2 nos consoles caseiros, gerando uma continuação exclusiva para o nes : Turtles 3 : Manhattan Project. O 4 conhecido como Turtles in time saiu para arcade mas não fez tanto alarde, porém foi uma febre e um sucesso imediato nos consoles caseiros como super nes e mega drive. Deste estilo de 4 simultâneos surgiriam outros jogos como vendeta e the simpsons, ambos de 1991 e x-men de 1992.

- Final Fight : seria chamado de Street Fighter 89’, porém como era um beat’em up e não um fighting game um contra o outro foi rebatizado de final fight, mesmo tendo sua história e personagens ligados a saga Street Fighter. Foi também um enorme sucesso pela jogabilidade refinada, gráficos superiores aos demais, personagens carismáticos, além de pequenas adições como itens que regeneram a energia. Alguns até creditam a invenção do combo (sequência indefensável) deste jogo. Fez tanto sucesso que gerou 2 continuações exclusivas para super nes, um port para nes, para vários consoles e computadores. A versão de Mega Cd/Sega Cd é quase um remake pois as músicas foram refeitas, os 3 personagens estavam disponíveis e podia-se jogar com 2 simultâneamente, além de ter todas as fases do original. As animações tinham movimento e voz, ao invés de imagens estáticas, além de um modo attack. Gerou também uma versão de luta um contra o outro chamada Final Fight Revenge que era um jogo em 3d lançado para arcade e depois sega saturn somente no Japão. O game foi um fracasso, a qual mais tarde, a divisão da Capcom, a Studio8 lançaria Final Fight Streetwise para Playstation 2 e x-box em 2006. Este já volta ás raízes no estilo beat’em up mas também fora um outro fracasso. Talvez pela fraca história mas o jogo em si não é de todo ruim, além de habilitar como bônus o Final Fight original de arcade.
versão arcade versão Mega Cd
1989 foi um ano muito rico para o entretenimento seja de videojogos, seja cinema, seja música. Neste mesmo ano sairia Golden Axe que fora um sucesso nos árcades, sairia também a série Seinfeld nos EUA que foi um série fora do comum e que serviu de base para todas as séries de comédia sitcom até hoje. Sairia também a continuação de Back To The Future que superaria o primeiro e se tornaria um ícone com os tênis Nike que se amarravam sozinhos, o skate que flutuava além da famosa frase na cena do bar anos 80 do jogo Wild Gunman “ têm de se usar as mãos?”.
1990 :
- Pit Fighter : Era um fighting game mas ao invés dos gráficos cartunescos, foi utilizado pessoas reais digitalizadas, além de poder usar o ringue livremente. Fez um relativo sucesso, não gerou continuações mas serviu de inspiração para um jogo que se tornaria uma febre em 1992 chamado Mortal Kombat.
Pit Fighter
Foi neste mesmo ano que por uma edição especial da revista semana em ação surgiria a primeira revista especializada em videogames no Brasil, a ação games. ( A primeira revista de videogames lançada no mundo foi a Computer and videogames da Inglaterra em 1981).
Surgia também o Super Nintendo, o terceiro console da quarta geração e um sucesso mundial. Sucesso mundial porque se em 1992 você queria ter Street Fighter 2 pra jogar em casa então só no Super Nes. Tacada de mestre da Nintendo que teve essa exclusividade até 1993 quando o jogo já em sua versão Champion Edition nos arcades foi liberado para os demais consoles e computadores da época, fora ter Final Fight, Captain Commando, Knights of the Round de beat’em up fora exclusivos japoneses como Iron Commando e Underconver Cops como exemplos além do ótimo fighting Killer Instinct.
Também surgiria o Neo Geo AES da SNK mas, tendo este praticamente o mesmo hardware da placa MVS não daria para compara-lo com os demais já que suas conversões eram idênticas ao arcade.
1991 :
- street fighter 2 : A continuação do jogo lançado pela capcom em 1987 e que se tornaria a reinvenção de todos os jogos mano-a-mano, um contra o outro. Foi o verdadeiro xadrez eletrônico, a continuação que evolucionou cada jogo de luta conhecido até hoje. Seria até injusto dar tantos elogios a um jogo que apenas é uma continuação de algo já feito e que usa praticamente as mesmas fontes de seu antecessor. Mas foi simplesmente a jogabilidade que alterou tudo. Ao invés de escolher 2 personagens, você pode escolher 8, cada um com sua individualidade, sua história, seus próprios golpes e comandos específicos, sua física e seus comandos até então complicadíssimos já que na época um comando com 6 botões assustava muita gente ( a maioria dos jogos usava-se no máximo 3 botões). Não bastava apertar botões para vencer, era preciso pensar, era preciso bolar táticas de luta, era preciso dominar todos os comandos e golpes de seu personagem, era preciso derrotar a todo custo e ser o melhor do pedaço.
A galinha dos ovos de ouro da Capcom gerou tantos filhotes que passa a franquia com mais continuações e spin-offs conhecida da empresa, Mega Man ou Rock Man para os íntimos. Só da série st2 foram 5 upgrades : st2 Champion Edition, st2 turbo, st2 the new challegers e st2 X grand master challenge que ganhou um quase remake apara Game Boy Advance em 2001 e um remake em 2007 e a Anniversary Edition considerado indispensável para qualquer colecionador, além das series zero/alpha de 1995 (3 jogos e 1 coletânea caseira), a série EX de 1996 ( Tatsunoko em 2008, fora alguns estranhos como a série gem mini mix e Street Fighter the movie (1 versão arcade, outra caseira, ambas com diferenças), uma tentativa de copiar seu maior rival de 1992 Mortal Kombat com gráficos digitalizados do próprio filme de 1994.
A série teve sua continuação com Street Fighter 3 The New Generation que gerou 3 jogos que acabou em 1999, surgindo quase 10 anos depois em 2008 com uma continuação oficial : Street Fighter 4 que por enquanto gerou 4 jogos, sendo o último Ultra Street Fighter 4 de 2014. Gerou mais de 100 clones, destes alguns tiveram até um certo sucesso e sua própria identidade como a série mortal kombat de 1992. Só foi superada de fato pela série The king of fighters da empresa Snk em 1994.
versão arcade
- Fatal Fury , The king of fighters : Criada pela Snk, o jogo em si não fazia frente á Street Fighter 2, mas ganhou fama por ter sido feito pelo mesmo criador de Street Fighter 1, Takashi Nishiyama que também criou personagens que ficariam famosos ou até mais que Ryu e Ken como Terry Bogard, seu irmão Andy e Joe Higashi, além dos antagonistas como Billy Kane e Gesse Howard. Segue a mesma base de Street Fighter 1 com limitação de escolha de personagens. A novidade fica para a mudança de planos que são 3, mas não o torna um jogo virtual. Cada antagonista tinha seu próprio tema, assim como uma excelente história e final, muito baseado nos filmes estilo Van Damme, Jackie Chan e Steve Seagel que estavam na moda. É deste jogo que sairia o nome do “Street Fighter killer”, The king of fighters.

1992
-Mortal kombat : Este foi o primeiro jogo que disputou com Street Fighter a liderança dos fighting games chegando até a superá-lo por alguns meses. Em quase todo o mundo, menos na ásia, o jogo fora um sucesso comercial não por seus gráficos digitalizados, tão pouco por sua jogabilidade, mas a história sobre um torneio místico com violentas lutas com sangue, muito sangue foi que fez sua fama. Gerou uma série que faz sucesso até hoje com vários jogos ( 9 para arcade e consoles, 4 special editions- ultimate, trilogy , gold e Komplete edition e 3 spin-offs- special forces, mytologies sub-zero e shaolin monks e seus crossover com a DC- Mortal vs DC. Está produzindo Mortal kombat X para a nova geração e consoles que deve sair entre 2014-2015)
A Midway, empresa que criou o game merece elogios quando tranpôs a franquia para o 3d. Mesmo mk4 não sendo uma maravilha, serviu como base para a saga se instalar na geração Playstation 2/x-box/game cube com louvor. Os jogos possuem uma jogabilidade boa, além da história seguir a original e os gráficos são bons, além destes mesmos em suas edições especiais possuírem a saga original de arcade como bônus. Mk deception vem com mk1, shaolin monks um excelente beat’em up vêm com mk2 e mk armageddon com ultimate mk3.
Como tudo que faz sucesso, gera-se uma legião de clones e com mk não foi diferente. Destes o que mais chamou a atenção foi The way of the warrior, produzido pela Naughty Dog ( empresa que criou Uncharted ) em 1994 para o console 3DO. O jogo tinha tudo para ser um clássico, gráficos excelentes para a época, trilha sonora cantada pelo White Zombie e uma história boa. O fiasco foi a jogabilidade e para um jogo de luta significa 50% do sucesso quando não 90%. Uma pena. A própria Midway fez um : War gods, bem inferior a mk.

É neste ano que surgiria o anime Fatal fury the legend of the hungry wolfs. Muito bem feito e produzido, o anime geraria 2 continuações e levaria a Capcom a produzir o seu próprio anime baseado em sua série de ouro Street fighter em 1994.
Fatal Fury Street Fighter
A SNK lançava um jogo que chamava a atenção pela qualidade gráfica e sonora : tratava-se de Art Of Fighting ou Ryuko No Ken (O punho do dragão e do tigre) Também criado pelo mestre Nishiyama. Bom enredo, personagens carismáticos, mesmo sendo comparado a clone de Street Fighter 2, ele estava mais para uma evolução de Street Fighter 1. E que evolução! A SNK implementou um efeito de zoom, tornando os personagens grandes quando próximos, os gráficos eram acima da média assim como o som, muito bem trabalhado. É neste game que surgiria os personagens Ryo, Robert, Takuma, Yuri e King, além de sua história original ter ligação com a saga Fatal Fury.
Art Of F.
1993
- Samurai Shodown : Este foi produzido pela SNK e foi o novo rival para street fighter em 93. O diferencial dele para os demais seria o tema : Japão, guerreiros samurais, ninjas e criaturas do folclore. As lutas são com espadas mas a mecânica é a mesma de street : 1 contra o outro na mesma dimensão com magias e golpes entre fraco e forte além de mortes/fatalities a lá mortal kombat. Foi o primeiro sucesso comercial da SNK fora da Ásia. O game foi muito elogiado na época pois possuía uma jogabilidade boa, gráficos bem trabalhados, uma história que se misturava com fatos reais da época e o som...uma obra-prima, além de personagens carismáticos. Gerou sua própria série com 6 jogos para arcade/mvs ( placa de arcade da SNK), 1 para arcade/atomiswave (placa da SAMMY, escolhida na época para suceder a mvs entre 2003/2004), 2 para Hyper neo geo 64 (placa produzida pela SNK em 1997 na época para tentar substituir a mvs, porém foi uma fracasso tendo apenas 7 jogos produzidos para ela e foi descontinuada em 1999) e o último título lançado em 2008 chamado Samurai shodown sen para taito type X2 ( placa de arcade da Taito) além de versões para consoles caseiros, conteúdo digital e portáteis. Destas a melhor é Samurai shodown antology para Playstation 2 que possui os 6 jogos originais da franquia mais samurai 6 de atomiswave, porém não possui samurai 5 special. A versão de play2 possui praticamente todos os personagens inclusive os animais como jogáveis, além de 3 sistemas de jogabilidade a mais em samurai 6.

- Virtua fighter : Produzido pela Sega em 1993, era um jogo de luta mas com uma diferença : os gráficos eram polígonos, a tecnologia mais sofisticada da época, dando um ar virtual ao jogo, porém a base era ainda 1 plano de luta mas os movimentos dos lutadores já se assemelhavam a uma pessoa real ou próximo disso. É considerado o pai de todo jogo virtual lançado até hoje sendo o primeiro. Apesar de usar a base de street fighter, seu rival seria a franquia Tekken, da Namco pelos próximos anos, seguida pela franquia Dead or alive da Tecmo. Todos 3d mas cada uma possui sua peculiaridade. Também gerou sua série com 5 jogos para arcade fora as versões caseiras e ganhou um remake exclusivo para Playstation 2 chamado 10th anniversary que vinha junto de um livro em 2003 no Japão. Esta versão pode ser encontrado como bônus no disco ocidental de Virtua fighter 4 evolution.

versão arcade remake de play2
- Fighters History : Feito pela Data East em 1993, este tem uma história interessante. Não só foi chamado de clone de Street Fighter 2 como a Capcom processou a empresa de plágio, chegando a perder o processo pois a fonte original na verdade foi o arcade Karate Champ que precedeu o Street Fighter original. De resto é um game quase idêntico a Street com poucas peculiaridades como a perda de uma parte da vestimenta se for atingido demais. Ganhou uma versão para Super Nes/Super Famicom, uma continuação para Neo Geo MVS/AES/CD e Sega Saturn chamada Fighters History Dynamite em 1994 e um quase spin-off chamado FH : Mizoguichi kiki ippatsu! Para Super Famicom em 1995.

1993 também foi um ano importante para as demais mídias. O cinema receberia Mario Bros o filme, apesar de não ter feito sucesso foi uma das primeiras empreitadas de se converter games em filmes (antes era feito jogos em cima de um filme). Foi também o ano de lançamento de Arquivo X, a série que daria uma sacudida no mundo nerd. Surgiria também os consoles 3DO da Panasonic e o Atari Jaguar. Ah sim, os FMV (full motion vídeos) Eram os jogos do momento.
Mario Bros Arq.X
1994 :
Antes de começar com um título, digo que foi um ano muito rico para os fighting games assim como as outras mídias de comunicação como cinema, senão o maior ano. É neste ano que surgiriam séries importantes de luta como a série Tekken, Killer Instinct, X-Men, The King of fighters, além do seriado Friends. É neste ano que a capcom lançaria 2 filmes de Street fighter : Um com atores reais e outro em anime. Claro que a versão em anime ficou mais fiel. O filme com atores reais mais parece um filme de guerra que de luta. Teve um relativo sucesso talvez por ter 2 grandes atores : Jean Claude Van Damme e Raul Julia que veio a falecer depois deste filme. Surgiria também os 2 consoles de quinta geração mais poderosos da época : Playstation 1 com vasta vantagem sobre gráficos 3d e o Sega Saturn com vasta vantagem sobre gráficos 2d além do arcade mais-em-conta Neo Geo Cd. Com o firmamento dos cds como mídia, iniciado com o Pc Engine em 1988, por sua enorme capacidade de armazenamento somado ao baixo custo, o Playstation 1 era o console mais poderoso, com franquias de todos os gostos : para os amantes de RPG Final fantasy 7 era exclusivo além de Dragon Quest 7. Shooters tinham conversões idênticas ao arcade, de 1945 Plus até os exclusivos como Harmful Park e Zanac X Zanac. Aventura? Tomb Raider e Crash nasceram no console além do survival horror Resident Evil. E os fighting games? De roubadas como Criticon até maravilhas como Tekken 3, Mortal Kombat Trilogy, Street Fighter collection 1 e 2.
- The king of fighters 94’ : A idéia inicial de seus criadores era um beat’em up com personagens de 2 séries da SNK : Fatal fury e Art of fighting. Abandonado o estilo, surgiria o jogo que finalmente superaria a saga Street fighter 2. O diferencial aqui era a luta entre times de 3 lutadores cada. Foi o suficiente para ser um sucesso e uma febre gerando uma série que perdura até hoje com 10 jogos lançados para MVS, 2 jogos para Atomiswave, 2 para Taito X-2, coletâneas para consoles caseiros, remakes ( exclusivos para Playstation 2 de 94’, 98’ e 2002’) além dos portáteis. É a série de maior sucesso da SNK mesmo com seus altos e baixos. Gerou Também uma série em 3d chamada King of fighters maximum impact com 3 jogos. Os altos e baixos da série se devem a situação financeira da SNK que faliu em 2000, ressurgindo em 2001 rebatizada SNK Playmore. Por mais que a série foi longínqua, poucas mudanças foram feitas e sempre fora mantido o esquema de times, depois copiado também por alguns jogos como Marvel vs capcom 2 e Toshinden Subaru.
versão arcade remake de play 2.
- Super Street X Grand Master Challenge : A última atualização de Street fighter 2. Com mudanças significativas na jogabilidade como os supers, escapar de um arremesso, mais combos e um novo chefe final. É o Street mais equilibrado para versus mesmo ainda tendo desbalanceamento. Foi sucedido pela anniversary edition em 2004 e mais tarde ganhou um remake para PSN/Xbox live em 2007.
versão arcade. segundo remake e em HD.
- Killer instinct : Lançado pela empresa Rare nos arcades em 1994 se diferenciou de ser mais um clone pelas significativas mudanças como 2 barras de energia, combos automáticos, ultra combos, combo breaker e counter breaker. Foi lançado no mesmo ano para Super Nes. Sua continuação foi lançado primeiramente nos árcades como killer Instinct 2 mais tarde sendo convertido para Nintendo 64 como Killer Instinct Gold em 1996. Após vários anos sumido, ressurgiu como um game exclusivo de Xbox One em 2013.

- Tekken : A Namco, empresa famosa de arcades e uma das pioneiras em novas tecnologias para fliperama, produziria em 94 uma série que veio para ficar e que em certos pontos superaria seu maior rival Virtua fighter, este foi Tekken que era um jogo em 3d mas com características diferentes de Virtua. Pra começar os golpes lembravam mais Street Fighter que uma pessoa golpeando. O primeiro título não fez muito sucesso mas o jogo em si era bom. Faltava um empurrão dado pelo novo console da Sony Playstation 1 que recebeu uma conversão idêntica do arcade. Seu sucesso viria com sua continuação descrita mais á frente.

- Virtua fighter 2 : Aqui a série se encontrou com sua idéia inicial : um jogo que beira ao quase-realismo, com gráficos muito melhores que o primeiro, além de um jogo mais rápido e com mais personagens. A versão arcade tinha gráficos maravilhosos mas sua conversão para Sega Saturn já não foi tão feliz sendo quase próxima. Mesmo assim a jogabilidade estava intacta e foi um dos grandes lançamentos do Saturn.

- X-men : Childrem of the Atom : Aproveitando o sucesso dos quadrinhos dos X-men, a Capcom lança um fighting game com gráficos bem cartunescos, além de uma jogabilidade mais rápida, inaugurando os super jumps e os air combos, mas estes só se tornaram mais precisos a partir de sua continuação Marvel Super Heroes de 1995. O jogo foi um sucesso pois você poderia controlar numa luta Wonverine, Tempestade, Psylocke, Colossus, Homem de Gelo e Ciclope, heróis dos quadrinhos muito populares na época. Foi o jogo que serviu de base para a série Marvel VS Capcom.
X-men.
- Darkstalkers : Mais uma série criada pela Capcom de luta. Aqui o tema são as criaturas da noite como vampiros, Frankenstein, lobisomens, etc. De inovador chain combos e estoque de barra special.

Os beat’em up também teriam muitos e muitos jogos nestes anos. Da SNK podemos listar Sengoku, Robo Army, Ninja Combat e Gangs Wars, este último somente para arcade. A Capcom lançou entre 1 a 2 títulos por ano sendo mais bem produzidos Dungeouns & Dragons : Tower Of Doom de 1993 e Shadow Of Mystara sua continuação em 1996, além do cult Alien Vs Predator de 1994. Fora as outras empresas como Sega com Alien Storm, Spider-man, Arabian Fight, e outras como Konami, Irem, Taito. Mas até eles passariam por mudanças significativas com o passar dos anos. Veremos isto logo a seguir.
Avatar do usuário
watcher
Membro NES Archive
 
Registrado em: Sáb Mai 17, 2008 3:29 pm

Re: (Artigo) 30 Anos de fighting games - parte 1

Mensagempor GameBoyPlayer » Ter Jan 12, 2016 2:23 am

parabêns pela materia cara :worship: :worship: :worship: ,e tanta coisa que daria para escrever um livro
Avatar do usuário
GameBoyPlayer
Membro NES Archive
 
Registrado em: Sáb Ago 08, 2009 10:26 pm

Re: (Artigo) 30 Anos de fighting games - parte 1

Mensagempor istemthebronx » Ter Jan 12, 2016 6:41 am

Bela matéria cumpade watcher, ver os esquemas de jogos de luta com o bom e velho briga de rua é sempre bom de ler. Isso pq tem até hoje história dos jogos de luta e dos briga de rua também.
Avatar do usuário
istemthebronx
Membro NES Archive
 
Registrado em: Ter Nov 08, 2011 12:39 am
Localização: Metro City Remains


Voltar para QUERO COLABORAR - Artigos

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante

cron